25ª São Silvestre do Porto


Demorou mas chegou a minha rubrica sobre a São Silvestre do Porto!

Estive de férias até ontem. Sim, resolvi tirar também a segunda-feira para poder usufruir do domingo à vontade sem sentir aquela pressão de que as férias estão a acabar! 

E hoje recuo na memória até ao final da tarde de domingo, 30 de Dezembro, dia em que regressei a uma prova no Porto após a minha Meia Maratona, em Setembro de 2017, onde fui tão mas tão feliz! 

Fui para o Porto na sexta-feira. Como sabem o Pedro é de lá e só se mudou para Lisboa por "nossa causa", pelo que vamos lá passar um fim de semana todos os meses. Desta vez até resolvemos ficar mais uns dias por um motivo que em breve divulgarei à blogosfera.

A prova tinha início às 18:00h. Como a casa dos meus sogros fica em Ramalde, a 5 estações de metro da Trindade, resolvemos sair de casa às 17:15h e evitar passar muito tempo ao frio. Optei por não levar o colete que deram este ano porque não me senti muito confortável (nem gira!) com ele. Já o Pedro levou-o e viu-se na verdadeira manifestação dos coletes amarelos.

O primeiro contratempo foi na estação de metro porque só existem duas máquinas automáticas para carregar o Andante, uma em cada lado da linha, ambas com uma fila de atletas promissora. Ainda assim, e como no Porto o controlo em dias de prova costuma ser apertado, resolvemos não arriscar e aguardámos pacientemente. Passaram 3 comboios até que finalmente pudéssemos entrar. Tenho de fazer um parêntesis para elogiar o Metro do Porto no que ao tempo de espera diz respeito: passam metros de 3 em 3 minutos no máximo, a um Domingo! Por este motivo pelas 17:45h estava junto às restantes 15.000 pessoas que se aventuraram nesta prova, na corrida ou na caminhada.

O segundo contratempo foi com o meu relógio. Não sei o que se passou, se estava com frio ou era só preguiça, mas não havia forma de encontrar sinal GPS. E EU ESTAVA A DESESPERAR! 5 minutos. 10 minutos. 15 minutos. Tiro de partida E EU SEM GPS! Pior: não tinha tlm como alternativa porque o tinha deixado com o meu sogro que nos foi apoiar. GRRRRRRR! O Pedro ria-se porque ele corre por correr e não quer saber das outras variáveis que envolvem até os amadores que gostam disto, mas vocês aí desse lado compreendem-me! Que nervos!

Quando finalmente lá vibrou eu senti um alívio enorme! Para logo a seguir voltar a ficar nervosa porque com isto tudo deixei o pessoal da corrida ir à vontade até que ouvi "3... 2... 1... Início da caminhada!". Não me lembrei que no lado contrário da Av. dos Aliados estavam os atletas da caminhada que partiriam 5min depois da corrida e cuja primeira parte do percurso era igual. Resultado: uns 300m a ziguezaguear por entre centenas de pessoas. 

Quando finalmente nos juntámos aos atletas dos 10k já havia gente a andar, possivelmente porque estávamos já no início de uma subida de 3k. Pois que aqui a lontra mal consegue correr confortavelmente num trajeto plano, quanto mais a subir... Quanto mais a subir 3k! Não sei qual o nome da rua mas para mim será sempre a Rua do Tormento! :P



Como não conheço assim tão bem o Porto valeu-me o Pedro sempre ao meu lado a dar-me indicações preciosas durante todo o percurso:

"Esta é puxada, sobe mesmo atá ao topo mas depois é a descer."
"Agora subimos aqui e descemos um pouco depois da curva." 
"Ali à frente há uma grande descida! Quer dizer... Não é assim tão grande... Mas é inclinada!"

Parecendo que não é sempre motivador saber quando podemos recuperar do esforço. 

Depois dos primeiros 3k os dois seguintes foram planos e a descer, pelo que deu para repor uma respiração mais "normal" e senti-me a entrar no ritmo. Para mim os primeiros quilómetros custam sempre mais, parece que o meu corpo ainda me tenta travar de o colocar em tamanho esforço, e a minha mente apoia-o. Porém, à medida que o tempo passa, eles devem perceber que não me conseguem contrariar e "desistem". Com isto não quer dizer que não me custe, mas é um sofrimento diferente. Diria talvez que com mais vontade de chegar ao fim do que arrependimento por ter começado! Ahahahaha

Até ao km 8 descemos mais do que subimos mas já sentia as pernas trémulas e sem grande força. Sabia que não podia parar, sabia que há uma maratona para terminar daqui a pouco mais de 3 meses e que para isso tinha de completar uma simples corrida de 10k sem vacilar. O apoio do público foi incansável, creio que foi a prova com mais apoio que já realizei. Muitos pontos de animação, bombos, música, pessoas a bater palmas, crianças a pedir hi5, tunas, de tudo um pouco. A partir do km 9 corri com o coração, as pernas estavam muito desgastadas. Entrámos no Túnel de Ceuta que estava abafado por tanta música e apoio. Foi ótimo sentir aquela vibração que me deu força para sair do túnel, literalmente! Aquela subida final até voltar à Av. dos Aliados esgotou a minha réstia de energia. Quando entrei na Avenida percebi que a meta era, nada mais nada menos, que no cimo do lado contrário, ou seja, era necessário descer os Aliados e voltar a subir. Achei que não teria força mas superei esse pensamento e não parei! No final da avenida lá estava o meu sogro a apoiar-nos e só faltava a subida final. Fi-la para a fotografia mas nunca cheguei a encontrá-la! Ahahahahah! Um dia serei rápida o suficiente para ainda aparecer nas fotos destas provas! 

No final recebemos a medalha e água. Fiquei um pouco desiludida porque gosto sempre de ter pelo menos uma peça de fruta para repor energia e noto que, em alguns casos, quanto mais notoriedade e fama tem a prova, menos "benefícios" têm os atletas amadores. Ainda assim adorei participar, voltar a competir comigo mesma em provas e, principalmente, voltar a correr 10k sem parar, algo que já não fazia há largos meses.


Regressei às provas e senti-me bem, muito bem. Voltei a sentir o que de melhor a corrida nos dá e que nem sempre as palavras conseguem descrever mas cujas sensações são inigualáveis. 

Comentários

  1. Eh la, temos um ritmo muito semelhante. O meu médio tb anda por aí. Fui à SS do Porto em 2015, num ano que foi muita gente. É uma prova gira, mas tb com muita gente e muita confusão. Nesse ano deram um lanche no fim patrocinado pela Sport Zone. Estranho este ano não darem nada. Não deve ser por falta de verbas...
    Este ano não sei como foi o percurso, mas quando fiz a subida do tunel de Ceuta tb fiquei esgotado. Nem os cartazes de motivação ajudam :)
    Parabéns pelo regresso às provas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah sim, os cartazes de motivação no fim do túnel já não fazem milagres! Ahahahah
      Obrigada e bons treinos!

      Eliminar
  2. Deste o que tinhas e quando assim é, está tudo muito bem! Parabéns!
    E muita força nestas semanas. Intensifica bem os treinos pois o tempo voa :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada João! O tempo voa e não volta para trás, vamos a isso!
      Beijinhos!

      Eliminar
  3. Olha quem está de volta! Parabéns pela prova, e bora lá a 2019. Vai dizendo coisas!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário