Gripes pré-maratona



Ainda não tinha passado por uma paragem devido a doença mas, ao que parece, a preparação para uma prova em pleno inverno pode ajudar bastante a vivenciar este tipo de experiência. E assim foi.

No início da semana passada comecei a sentir os primeiros sintomas: muitos espirros e algum congestionamento nasal. Na terça juntaram-se as dores de garganta e o congestionamento passou a total. Na quinta ainda me obriguei a um treino curto (com vontade praticamente a zero) para não estar a semana toda parada - treino esse que, evidentemente, revelou a dificuldade dos meus pulmões (e passar os 3 primeiros quilómetros na conversa com a Agri também não deve ter ajudado). A partir de sexta-feira foi aquela tosse a expulsar demónios dos pulmões.

As drogas fizeram efeito porque no sábado sentia-me bastante melhor, ainda não totalmente recuperada mas capaz de enfrentar o meu longo de domingo de manhã. Tinha tudo combinado para um treino de 19k na marginal. Despertador às 07:40h e motivação no máximo para, pela quarta semana consecutiva, bater a distância da semana anterior. 

Acordei às 06:50h com o som da chuva a bater na janela do meu quarto. Senti uma fúria enorme dentro de mim (seriam ainda os demónios?!) e só me apetecia chamar nomes ao São Pedro - que optei por não fazer porque não quero represálias. Não foi bonito. Quem me conhece nisto das corridas sabe que tenho um gosto particular por correr à chuva e não é isso que me demove. No entanto, tendo em conta o meu estado ainda não totalmente recuperado, não achei uma atitude sensata ficar encharcada e, muito provavelmente, despoletar piorias no meu estado de saúde. E o pior é que eu tinha visto a aplicação da meteorologia nos dias anteriores e só falavam em céu nublado, como era possível? Aliás, abri a aplicação enquanto chovia e pasmem-se: não estava a chover em Lisboa! Ainda pensei em fazer o treino à noite, quando voltasse a casa após visitar os meus avós a Mafra, mas voltei a Lisboa debaixo de chuva na mesma. Foi assim que cancelei o meu longo de ontem, com muita, muita pena, desilusão e frustração. E ontem percebi como isto nos pode afetar para lá das corridas. Todas as pessoas com quem convivi sentiram necessidade de me alertar para o nível de stress que sentiam em tudo o que dizia e fazia. As minhas desculpas...

Estou chateada porque esta semana foi um golpe na minha confiança. Estava a sentir-me bem, a aumentar os quilómetros gradualmente, a ganhar confiança para o dia M. Não contava com esta paragem forçada. E faltam dois meses e meio. Digo isto e sinto um aperto no coração. Faltam dois meses e meio.

Isto é um marco tão importante quem nem penso no que falta até lá, parece que nada para além da Maratona tem importância. Por exemplo, daqui a três semanas tenho a Meia Maratona de Cascais. Não fosse ter uma Maratona daqui a dois meses e meio e estaria ansiosa, preocupada e assustada com uma Meia Maratona daqui a 3 semanas. Mas não estou. Estou mais preocupada com o longo que devia ter feito ontem e que vou tentar fazer hoje. Parece que está sol.



Comentários

  1. Como te compreendo! :)
    Força, espero que tenhas conseguido fazer o longo

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. As melhoras, bem sei que é frustrante mas ensopada durante 19k iria fazer pior à preparação.

    Meia de Cascais, Maratona daqui a 2 meses e meio e achas que não estás preparada...hmm, não sei bem de onde já vi, ouvi ou senti isso...

    Vá, ainda faltam 2 meses e meio ;)

    ResponderEliminar
  3. Uma semana a mês e meio é perfeitamente recuperavel. Vamos a isso!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário